Educação e Cidadania

Ouvimos frequentemente falar em cidadania europeia, cidadania multicultural,cidadania planetária, etc.

Insiste-se numa educação para a cidadania nas escolas: fala-se de práticas de cidadania» numa sociedade democrática e, no caso português,insiste-se num «déficit de cidadania para explicar a nossa ausência de participação e de organização.
Que entendemos por cidadania?
Será que existe apenas um tipo de cidadania?
Como podemos contribuir para a «construção da cidadania?
Qual o papel da educação neste processo?
Sem pretendermos responder exaustivamente a este conjunto de questões, iremos às raízes da palavra cidadania para melhor entender o que se pretende com ela. Falaremos do papel da escola e da família na construção da cidadania. Equacionaremos especificamente o jardim-de-infância como meio sistemático de proporcionar às crianças as suas primeiras experiências de vida democrática. Finalmente, o projeto social "Formiguinhas do Vale"deter-se-á numa concepção alternativa de uma cidadania da infância como forma de entender a multiplicidade de cidadanias, apresentando um conjunto de propostas educativas para a construção de cidadania na infância.
Acompanhando nossos projetos sociais, poderão visualizar-se diversas formas de alcançarmos os fins propostos e a construção dessa cidadania será consequência.

Leia também a matéria deste blog:
Cidadania

domingo, 30 de março de 2014

Gazeta Valeparaibana ABRIL 2014

DESTAQUES da Edição ABRIL - 2014 - Edição 076
Gazeta Valeparaibana
Destaques
EDITAL
ERA TECNOLOGICA: INFORMAÇÃO OU ALIENAÇÃO?
O brasileiro está lendo cada vez menos segundo pesquisa divulgada em 2012 pelo Instituto Pró-Livro em parceria com o Ibope Inteligência.
De acordo com o levantamento nacional, o número de brasileiros considerados leitores – aqueles que haviam lido ao menos uma obra nos três meses que antecederam a pesquisa – caiu de 95,6 milhões (55% da população estimada), em 2007, para 88,2 milhões (50%), em 2011.
Leia mais: Página 2 
Dia  Nacional da Voz
16 de Abril
A voz humana consiste em 69 cordas vocais no som produzido pelo ser humano usando suas cordas vocais para falar, cantar...
Leia mais: Página 3
DIA MUNDIAL DA LUTA CAMPONESA
17 de ABRIL
'Via Campesina é uma organização internacional de camponeses composta por movimentos sociais e organizações de todo o mundo. A organização visa articular os  processos de mobilização social dos povos do campo em nível internacional.
Leia mais: Página 4
Educação Ambiental e a Mídia
Não há dúvida que a Educação Ambiental (EA) faz parte do nosso dia-a-dia. Encontra-se cada vez mais  presente e ocupando  espaços na mídia falada, escrita, virtual e outros meios que nos fazem pensar e refletir a respeito do mundo que queremos para nós e para nossos filhos. O problema é sabermos...
Leia mais: Página 5
EM BUSCA DA AULA PERDIDA
Numa alusão ao filme “Em busca do tesouro perdido”, em que Nicolas Cage personifica  Benjamin, um caçador de tesouros, que durante toda sua vida procurou um tesouro que ninguém acreditava existir, resolvemos escrever esse artigo. Acreditamos que todos os professores, ao menos aqueles interessados, estão sempre à procura da aula perdida...
Leia mais: Página 9
A INSEGURANÇA DA SEGURANÇA PÚBLICA
Dia desses tive um dia muito corrido e ao abrir minha rede social me deparei com a seguinte postagem de uma amiga ”Moradora baleada e posteriormente socorrida, acaba caindo da viatura, sendo arrastada e morrendo... Lamentável!....
Leia mais: Página 11
A campanha nacional contra o uso de Agrotóxicos
Mais de 20 entidades da sociedade civil brasileira, movimentos sociais, entidades ambientalistas e grupos de pesquisadores lançaram uma campanha nacional, de caráter permanente, contra o uso dos agrotóxicos no Brasil.  A campanha pretende abrir um debate com a população sobre a falta de fiscalização, uso, consumo e venda de agrotóxicos, a contaminação dos solos e das águas e denunciar os impactos dos venenos na saúde dos trabalhadores, das comunidades rurais e dos consumidores nas cidades.
Leia mais: Página 13
Contaminação dos alimentos e a saúde pública
Um ditado indiano diz que a gente é aquilo que come. A alimentação sempre ocupou lugar de destaque desde as sociedades milenares.  As pessoas comiam para satisfazer as necessidades do corpo, mas também da mente. A comida também se encarregou de perpetuar culturas de povos, passando receitas e costumes de geração...
Leia mais: Página 15
Conheça... Leia matérias completas:

www.gazetavaleparaibana.com

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Gazeta Valeparaibana - Março 2014


DESTAQUES da Edição MARÇO - 2014 - Edição 076
Gazeta Valeparaibana
Matérias
 Maria da Penha Maia Fernandes, natural de Fortaleza/CE,biofarmacêutica em 1983, vítima de seu marido, o professor colombiano Marco Antonio Heredia Viveros que tentou matá-la duas vezes, na primeira vez simulando um assalto efetuou um disparo de arma de fogo contra ela e, na segunda tentou eletrocutá-la. Em razão das agressões sofridas, Penha ficou paraplégica e, passou a lutar para que seu agressor viesse a ser condenado.
Leia mais: Página 3
Provavelmente poucos homens foram tão versáteis, tão ativos e produtivos , na música, como Heitor Villa-Lobos.Villa-Lobos seguiu simultaneamente carreiras de sucesso como violoncelista, maestro, educador e compositor. Tinha um entusiasmo incomum pela juventude brasileira. Era para a juventude daquela época que ele desejava abrir-lhes o caminho do mundo da arte. Todavia ele aprendera música sozinho.
Leia mais: Página 4
Foi criada há exatos 25 anos a Lei 7.716, que define os crimes resultantes de preconceito racial. A legislação determina a pena de reclusão a quem tenha cometido atos de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Com a sanção, a lei regulamentou o trecho da Constituição Federal que torna inafiançável e imprescritível o crime de racismo, após dizer que todos são iguais sem discriminação de qualquer natureza.
Leia mais: Página  5
O carnaval no Brasil tem suas raízes históricas no período colonial, tornando-se uma lucrativa atividade comercial no século XX.  A história do carnaval no Brasil iniciou-se no período colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de origem portuguesa que, na colônia, era praticada pelos escravos.
Leia mais: Página 6
Dia Mundial da Água (Semana da Água), a Fonte da Vida ! Que possamos aprender a cuidar bem das nossas reservas de água ! A Assembléia Geral da ONU declarou 22 de Março Dia Mundial da Água (resolução 47/193, de 22 de Dezembro de 1992).
A celebração deste dia tem como objetivo dar a conhecer até que ponto o desenvolvimento dos recursos hídricos contribui para a produtividade econômica e o bem-estar social.
 Leia mais: Página  11
A discussão que envolve o monitoramento eletrônico é relativamente nova no Brasil, a lei 12.258 aprovada em 16/06/2010 autoriza a saída temporária de condenados com monitoramento no regime semiaberto e em prisão domiciliar.  A lei altera o código penal e a lei de execução penal. Sabemos que nosso sistema prisional encontra-se debilitado, faltam mais de 210 mil vagas no nosso sistema penitenciário e existem, mais de 500 mil mandados de prisão que  aguardam para serem cumpridos. Isso  segundo um levantamento no banco de dados de 17 estados e do Distrito Federal (O Globo,País).
 Leia mais: Página 12
OUTONO
 O outono é a estação do ano que sucede ao Verão e antecede o Inverno.
É caracterizado por queda na temperatura, e pelo amarelar das folhas das árvores, que indica a passagem de estações (exceto nas regiões próximas ao equador).
Leia mais: Página 13
Em 09 de Marco de 1500 A armada de Pedro Álvares Cabral zarpa de Lisboa, rumo a Calcutá, descobrindo o Brasil no meio da viagem, no ano de 1500.
A frota, sob o comando de Cabral, então com 32–33 anos de idade, partiu de Lisboa em 9 de março de 1500 ao meio-dia.
No dia anterior, a tripulação tinha recebido uma despedida pública que incluíra uma missa e comemorações com a presença do rei, da corte e de uma enorme multidão.
Leia mais: Página 16
O carnaval 2014 é um dos feriados mais esperados do ano, e isso por que já ocorre no começo do ano, mas as pessoas sempre ficam esperançosas nessa data, pois é uma época de diversão, de sair da rotina, viajar, e descansar também. Por isso entenda como será o carnaval esse ano, para que você possa participar também. .
No Feriado de Carnaval 2014 você pode fazer muitas coisas. E viajar é uma das coisas que as pessoas mais almejam para essa data.
• Data do carnaval 2014: 4 de março
Como você pode ver o Carnaval 2014 está um pouco atrasado, visto que normalmente ocorre no máximo até o final de fevereiro, mas esse ano foi deixado para o mês de março.
Saiba também que esse dia, 04 de Março vai cair em uma terça-feira, o que faz com que a segunda seja uma ponte para um feriado prolongado para alguns, pois isso depende do método de trabalho de cada empresa, como por exemplo o comercio que dificilmente é fechado nesse período, mas não impossível de acontecer.  Divirta-se!, descanse ou apenas aproveite para  relaxar e refletir.
A todos desejamos um bom Carnaval.
Mas é sempre bom lembrar: SE DIRIGIR não ingira bebida alcoólica.
Conheça... Leia matérias completas:

Baixe: www.gazetavaleparaibana.com/076.pdf

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

DESTAQUES da Edição JANEIRO - 2014 - Edição 074
Gazeta Valeparaibana
Matérias

Pagina   2: EDITORIAL
Página   3: Na melhor idade
Página   4: Saúde Pública
Página   5: Política e Cidadania
Página   6: Culturas Brasil
Página   7: Contos, Poesias e Crônicas
Página   8: A CERCA (conto verídico) Parte VIII
Página   9: E agora José?
Página 10: Profissão Cidadão
Página 11: Ano Novo... Vida Nova...
Página 12: Mudanças Climáticas
Página 13: Questão agrária
Página 14: EscolaxFamíliaxEscola
Página 15: Nossos Filhos
Página 16: FMI – Austeridade e Mercados

Conheça...

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

DESTAQUES da Edição de Outubro  -  Edição 071
Gazeta Valeparaibana

Pagina   1: Musica e Autores
Pagina   2: Cronica
Página   3: História da Música
Página   4: Terceira Idade
Página   5: Política e Cidadania
Página   6: Educação x Professores
Página   7: Página Literária
Página   8: A CERCA (conto verídico) Parte IV
Página   9: Para onde caminha a humanidade
Página 10: Profissão Cidadão
Página 11: Constituições Brasileiras
Página 12: Socializando ideias
Página 13: Dia Nacional do Professor
Página 14: Educação para a Cidadania.
Página 15: Nossos Filhos
Página 16: Internacional

Baixe: www.gazetavaleparaibana.com/071.pdf

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Gazeta Valeparaibana - Agosto 2013

DESTAQUES da Edição de Agosto
Gazeta Valeparaibana


DIA NACIONAL DAS ARTES - 12 de Agosto
A arte nasceu com o homem. Com a arte o homem conseguiu transformar o movimento em dança, o grito em canto, e reproduzir pela imagem e pelo gesto as coisas que sente e a emoção que contempla.
A presença da arte numa obra se nota quando através dela o artista nos comunica os seus temores, anseios e esperanças e quando ela estabelece uma relação profunda entre o homem e o mundo, exprimindo uma realidade interior mais intensa e não menos significativa do que a exterior que captamos através dos sentidos. Criar arte e amá-la foi privilegio de todos os povos, raças, crenças, épocas, meridianos e culturas...
......
Eleições...
Como funciona a eleição para vereadores:
Digamos que numa pequena cidade o número de vereadores é 9 e o número de eleitores é de 3.000 No dia das eleições, ao final, digamos que o número de votos validos foram 2.700 (ou seja não se contaram os votos brancos e nulos).
......
VERDADES DE HOJE E DE ONTEM
Uma educação mal dirigida tanto no Ensino Fundamental como no Ensino Médio, assim como na célula família e no atual conceito que se faz dela, tem invertido valores socais além de autovalorizar o individuo em prol de uma aparente fraternidade que ilude e transfere para o todo social as responsabilidades de cada um.
......
A CERCA
Alguém começou a lapidar pedras. Eram pedras coloridas encontradas no meio de pedras de rio e que eram usadas para colocar nos jardins das casas.
Para dar uma forma desejada à pedra, pegávamos um pedaço de madeira em cuja ponta nós cortávamos a forma, oval, redonda, etc. Usávamos uns grãos de arroz amassados com uma gota de água para colar a pedra na madeirinha. A lapidação da pedra era obtida esfregando-se a pedra sobre o vidro, adicionando-se um pouco de água.
Usávamos pedaços de vidro plano ou garrafas.
......
SÍNDROME DA AMNÉSIA PEDAGÓGICA
Você já reparou quantas visões diferentes há sobre uma mesma escola?
Já parou para analisar a opinião dos seus colegas sobre seu próprio trabalho? Já trocou ideias com outros trabalhadores da educação para ver quantas opiniões diversas há sobre o trabalho docente?
.....
DIA DO ESTUDANTE
Código de ética do estudante
I - Faze da tua crença em Deus e nos destinos sobrenaturais do Homem a luz que te guiará no meio da confusão dos desorientados e da corrupção dos costumes.
.....
Democracia: Uma forma  de ver e de viver o mundo
 “Cidadão é o indivíduo que está no gozo dos direitos civis e políticos de um Estado. Faz parte também de ser cidadão” participar no destino da sociedade, votar e ser votado, ter direitos políticos. “ Os direitos civis e políticos não asseguram a democracia sem os direitos sociais, aqueles que garantem a participação do indivíduo na riqueza coletiva: o direito à educação, ao trabalho justo, à saúde, a uma velhice tranquila.”
.....
Como educar um filho no século XXI?
Cuidado com suas atitudes. Seu filho pode estar te observando silenciosamente...
.....
E muito mais... Experimente! É diferente...

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Região Metropolitana de São Paulo

Complexo Metropolitano Expandido ou Macrometrópole de São Paulo é o conjunto das regiões metropolitanas paulistas próximas à São Paulo, a sexta maior cidade do planeta, e à sua região metropolitana que, com 19 223 897 habitantes, é a sexta maior aglomeração urbana do mundo.
O Complexo abrange regiões metropolitanas do estado de São Paulo, como Campinas, Baixada Santista e o Vale do Paraíba e outras cidades próximas, que compreendem aglomerações urbanas em processo de conurbação, como Sorocaba, Piracicaba e Jundiaí. A população total dessas áreas somada à da capital paulista ultrapassa 29 milhões de habitantes, aproximadamente 75% da população do estado de São Paulo inteiro.
As regiões metropolitanas de Campinas e de São Paulo já formam a primeira macrometrópole do hemisfério sul, unindo 65 municípios que juntos abrigam 12% da população brasileira, retém boa parte da produção industrial e da economia do país.

O seu Jornal EDUCAR de JULHO

A Gazeta Valeparaibana de JULHO já está disponibilizada para download.
Matérias:
Crônicas
- Lei do Caminhão de Lixo
- O tempo anda escasso
Matérias
- 1932 e o Brasil de hoje
- A Plebe e a Nobreza
- O Povo acordou!
- Democracia Representativa x Participativa
- Educação não é competição
- Contos, Lendas e Mitos
- A CERCA Parte II
- O Gigante acordou (3ª. Versão)
- Redução da Maioridade Penal
- O que é Laicidade?
- Como a Classe média alta Brasileira é escrava dos supérfluos
- Homossexualidade: A Escola e os preconceitos
- Breve história da corrupção no Brasil
- Os filhos querem colo
- Universidade de Coimbra

www.gazetavaleparaibana.com/068.pdf

terça-feira, 4 de junho de 2013

AUSÊNCIA DE IDEIAS
Gazeta Valeparaibana

Já percebeu o vazio que se instala nas relações entre as pessoas quando entram em elevadores, táxis, filas, velórios e demais situações?

Imagine escrever dentro desse quadro de ausência de ideias...

Atualmente, as redes sociais têm contribuído muito para que isso aconteça. Levam as pessoas à brevidade e ao instantâneo, diminuindo, inconscientemente, a busca por coisas mais profundas e fundamentadas, levando ao desejo por tudo o que for conciso. Se um “tuiteiro” escrever além de certo número de caracteres é capaz de “pirar” e, em circunstâncias que exigir dele um texto com vocabulário mais extenso, o cérebro pode sentir-se bloqueado.

A falta de leitura gera esse interesse por informação e não por conhecimento o que faz aumentar, cada vez mais, o número de adeptos tornando, a ignorância, naturalmente democrática.
Escrever sobre o que se conhece ou vivência, sai bem melhor quando se lê muito, observa-se tudo a volta, mesmo o que considerar mais banal. Muitas vezes, as melhores crônicas saem dessas insistentes observações.

Ter sempre uma boa frase, pensar sobre o que se vê e ouve, rever coisas já escritas para saber o que mudou em você ou no mundo pode ser uma boa técnica para aprender, prender, marcar uma escrita,provocar emoções e reflexões.



Leia a matéria completa e muito mais. 16 páginas de crônicas e artigos sobre Educação, cultura e Sustentabilidade Social.

terça-feira, 30 de abril de 2013

Gazeta Valerparaibana - Maio 2013

Olá amigos,
Já se encontra disponibilizada para download gratuito o numero 66 da Gazeta Valeparaibana - Maio 2013, visitem o site, leiam as matérias em destaque e baixem o arquivo gratuitamente.

Boa leitura.
www.gazetavaleparaibana.com

sábado, 30 de março de 2013


A Gazeta Valeparaibana edição de ABRIL 2013 já está disponível para download

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Gazeta Valeparaibana - Fevereiro 2013

Já está disponibilizada para download gratuito a Edição de Fevereiro de 2013

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Gazeta Valeparaibana - Janeiro 2013


A equipe do jornal mensal Gazeta Valeparaibana, deseja a todos os leitores, amigos e colaboradores, um Feliz 2013 e aproveita para informar que já está disponível o jornal de Janeiro no link: http://www.gazetavaleparaibana.com/062.pdf

sábado, 1 de dezembro de 2012

Gazeta Valeparaibana - Dezembro 2012


- Editorial e crônica
- Nossa saúde
- O Lúdico e a educação
- Cidadania
- Contos e Lendas
- Sustentabilidade Social
- Sergipe (SE)
- Educação Pública
- Nossos alunos e nossas Escolas
- Petróleo Brasil
- Política e Sociedade
- Informática
- Direitos e Propriedade intelectual
- Nossa Lusofonia

Tudo isso você encontra aqui: www.gazetavaleparaibana.com/061.pdf

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Olá amigos, bom dia
Já está disponibilizada para download grátis, a Gazeta de Novembro de 2012. Edição de aniversário.
Assuntos como:
Democracia;
Síndrome de Down;

O Lúdico e a Educação;
Política e Cidadania;
Contos e histórias;
Página Educar;
O Estado de São Paulo;
Educação Pública;
Sexo na Adolescência;
Porque o petróleo tem que ser nosso;
Estamos sob vigilância;
Planeta Terra;
Opinião e Direitos Humanos;
Sociedade;
São Tomé e Príncipe.


Link: www.gazetavaleparaibana.com/060.pdf

sábado, 1 de setembro de 2012

Liberdade de expressão

JORNALISMO: A QUERELA DO DIPLOMA

Na segunda metade do século passado, no ano de 1969, com o decreto 972, o Poder Militar tornou obrigatório o diploma universitário de jornalismo para o exercício dessa profissão.
No início deste segundo milênio, no ano de 2009, o Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, derrubou aquela imposição castrense, tornando o exercício da profissão de jornalista livre da obrigatoriedade do diploma de jornalismo.

Agora, neste ano de 2012, a querela voltou à tona para tornar obrigatório o diploma, e desta vez com a atuação do Poder Legislativo, por meio da proposta de Emenda Constitucional 33/09.
Ninguém sabe ao certo o que é democracia, mas quase todos sabem o que não é democracia. Investir contra a liberdade de imprensa é a negação absoluta da democracia.

A questão é saber se a imposição do diploma de jornalismo de fato constitui uma ameaça à liberdade de imprensa.

Os que são contra a exigência do diploma afirmam que essa exigência configura uma insuportável restrição à liberdade de imprensa, e um atentado contra a democracia.
Enquanto que os que são favoráveis à exigência do diploma afirmam que o interesse público exige a atuação de um profissional qualificado, e que tais qualidades só podem ser adquiridas em uma faculdade de jornalismo.

McQuail apresenta três teorias sobre o interesse público: a teoria da preponderância, que implica em uma consulta plebiscitária à população; a teoria do interesse comum, que se baseia numa suposição que os governantes fazem sobre o que seja o interesse público; a teoria unitária, que é aquela teoria do comunismo ou do nazismo, que faz imposições ditatoriais, declarando, por decreto, serem essas imposições "do interesse público".

No caso em discussão a bandeira do interesse público, hasteada pelos que querem impor o diploma, escancara a adoção da teoria unitária, pois eles não se dão ao trabalho de explicar a quem quer que seja o que eles entendem por interesse público.

A imprensa atual é altamente crítica e denuncia os abusos cometidos pelos governantes.
Se a exigência do diploma partiu da ditadura militar, sufocadora de toda liberdade de imprensa, é claro que a exigência do diploma constitui um atentado contra essa liberdade, e um perigo para a democracia.

domingo, 21 de novembro de 2010

formiguinhasdovale.avi

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Ainda espero

Espero do novo governo políticas públicas realmente sérias, voltadas para a educação, principalmente a pública, onde vivemos grandes dificuldades; Espero que os professores, tenham salários dignos, para que possam investir na sua qualificação, sua saúde e em sua família.
As mudanças são rápidas e em todos os setores das nossas vidas, mas, precisamos acompanhá-las e para isso precisamos de tempo e de dinheiro para a atualização e formatação de aulas.
Ganhando o que ganham os professores, no momento, têm de trabalhar em várias lugares e dar 6, 7 e outros até 10 aulas por dia. Com isso a educação é cada dia mais decadente, pois se eles, que são parte integrante na educação, e elementos fundamentais no processo, não se atualizam, que alunos irão formar.
Tenho esperanças de salários e condições de trabalho melhores, escolas com estruturas melhores (Laboratórios) enfim, que a educação seja vista como investimento e não tratada como assistencialismo.
A educação precisa, sobretudo de qualidade, conteúdo e forma. Certo que a comodidade, a escola limpa e acolhedora também é importante.
No entanto, que a verba destinada á educação priorize mais o conteúdo e menos o retorno político sobre a forma de voto, com a execução de obras que somente contemplam os lucros dos políticos e das empreiteiras.
Uma democracia séria e um País desenvolvido só se conseguem com cidadãos educados e esclarecidos.
A educação merece melhor atenção e o Brasil precisa de mais.

domingo, 12 de setembro de 2010

Estudo: Brasil está entre os 10 países mais desiguais do mundo

O economista-chefe do Centro de Políticas Sociais, vinculado à Fundação Getulio Vargas (FGV), Marcelo Côrtes Neri, afirmou que a baixa escolaridade da população brasileira mantém o País entre as dez nações mais desiguais do mundo. "Ainda estamos no top 10 da desigualdade mundial", disse.

Análise publicada pelo economista na mostrou que, desde 1996, há redução do índice de Gini. O indicador, que mede a concentração de renda (quanto mais perto de 1, maior a desigualdade), caiu de 0,6068, naquele ano, para 0,5448, em 2009.

Apesar da queda, o índice brasileiro é superior ao de países como os Estados Unidos (em torno de 0,400) e da Índia (0,300) e está próximo ao de nações mais pobres da América Latina e do Caribe e da África Subsaariana. "Saímos do pódio, mas ainda estamos entre os mais desiguais", afirmou o economista.

Segundo Neri, para diminuir a desigualdade, é preciso que a renda das classes mais baixas continue crescendo, que se mantenham programas sociais focados na população mais pobre e, sobretudo, que o Estado amplie a oferta de educação de mais qualidade e as pessoas permaneçam na escola.

O sociólogo e cientista político Simon Schwartzman, presidente do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), disse que "a educação no Brasil é muito ruim" e que há um "excesso de valorização" da escolaridade, o que explica a grande diferença salarial entre quem tem curso superior e quem não tem nenhuma formação. Para ele, o desempenho educacional "não tem melhorado muito" e, portanto, nos próximos dez anos o quadro de desigualdade permanecerá.

Para o gerente da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Cimar Azeredo, o Brasil tem "mazelas que não se desfazem de uma década para outra". Ele citou a diferença entre a renda de homens e mulheres, brancos e negros. "O passivo é muito grande. Somos há muito tempo um País desigual".

O estatístico e economista Jorge Abrahão de Castro, diretor de Estudos e Políticas Sociais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), confirmou que o País ainda vive "as sequelas do passado" demonstradas, por exemplo, na última Pnad, que, além da desigualdade perene, indicou que um em cada cinco brasileiros com 15 anos ou mais tem menos de quatro anos de estudo.

De acordo com a Pnad, o percentual de crianças e adolescentes de 6 a 14 anos na escola em 2009 era de 97,6%. Na avaliação dos especialistas, a permanência dessas crianças na escola resultará em melhoria de renda no futuro.

Para Marcelo Neri, da FGV, a chamada nova classe média brasileira, com mais de 95 milhões de pessoas, é formada por crianças e adolescentes que entraram e permaneceram na escola nos anos 90, quando houve universalização do acesso ao ensino.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Tudo de novo na casa do Tio Sam

Mais uma plataforma de petróleo se incendeia no Golfo do México.

Plataforma se incendiou hoje de manhã (02/09/2010), a 320 quilômetros da Deepwater Horizon, da BP.

Há sinais iniciais de vazamento.

Outra plataforma petrolífera localizada no Golfo do México, a 160 quilômetros da costa do estado americano da Louisiana se incendiou às 11h30 (horário de Brasília) nesta quinta-feira, dia 02 de Setembro de 2010. Embora não haja confirmação oficial, a Guarda Costeira afirmou ter visualizado uma mancha superficial de óleo de cerca de 1,5 quilômetros de comprimento perto do local do acidente.
A plataforma, chamada Vermillion Oil Rig 380, é operada pela texana Mariner Energy e está a 320 quilômetros a oeste da Deepwater Horizon, a plataforma da BP que explodiu no dia 20 de abril deste ano e afundou dois dias depois, causando o pior desastre ambiental da história dos EUA.
Os 13 funcionários que nela trabalhavam conseguiram escapar, segundo a Guarda Costeira. Apenas um está ferido. Eles foram resgatados por um navio civil, e levados a outra plataforma próxima, e de lá, seriam levados ao Terrebone General Medical Center, em Houma, na Louisiana, para exames.
Sete helicópteros, dois aviões e quatro barcos foram mandados para checar possíveis vazamentos de petróleo causados pelo acidente. Três navios estão tentando debelar as chamas. O porta-voz da guarda costeira, Bill Colclough, disse à CNN que são desconhecidas as causas da explosão da plataforma, que incendiou logo em seguida. Nas proximidades operam outras sete plataformas, que pararam de trabalhar por causa do acidente.
Produção em águas rasas
A Vermillion é uma plataforma fixa que estaria operando em águas consideradas rasas, a uma profundidade de 105 metros -- para comparação, a Deepwater Horizon, que explodiu em abril causando o pior desastre ambiental dos Estados Unidos, operava a 1500 metros de profundidade.
As primeiras informações davam conta que a plataforma estaria inoperante por conta de uma manutenção, mas um relatório obtido pela AP diz que ela está em plena produção, extraindo 222.575 litros de petróleo e 25 mil metros cúbicos de gás por dia.
A Mariner Energy já teria sido autuada por acidentes no Golfo do México pelo menos dez vezes nos últimos dez anos, segundo os registros de autoridades do governo dos Estados Unidos.

A empresa estaria em processo de compra por outra companhia, a Apache, num acordo que incluiria a dívida de 1,2 bilhões de dólares da Mariner.

Reação da Casa Branca
O porta-voz da Casa Branca Robert Gibbs disse que Barack Obama estava em uma reunião quando o acidente foi divulgado, e não sabia dizer se o presidente tinha sido informado a respeito. "Estamos prontos para agir caso cheguem relatos de poluição na água," afirmou.

Só dá incompetência e irresponsabilidade na casa do Tio Sam.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

A inificiência administrativa e a corrupção.Por isso o dinheiro não chega...

Corrupção e falhas de gestores públicos custam R$ 1,8 bilhão por ano ao Estado

24 de agosto de 2010

Atos de improbidade por parte de autoridades, incluindo enriquecimento ilícito, má gestão e prejuízo ao Erário, custam ao Estado de São Paulo pelo menos R$ 1,8 bilhão por ano. Só a Promotoria do Patrimônio Público e Social cobra R$ 32,1 bilhões de gestores públicos, com base em 764 ações, de dezembro de 2002 até dezembro de 2009. Por conta delas, já há R$ 5,94 bilhões bloqueados pela Justiça para ressarcir o Tesouro.

Os dados constam de documento divulgado pela Procuradoria Geral de Justiça de São Paulo e levam em conta exclusivamente ações abertas na capital, com base na Lei 8.429/92. No entanto, o texto não aponta os nomes de alvos que a promotoria fustigou nos tribunais.

Os promotores cobravam anteriormente R$ 34,2 bilhões, mas esse valor foi reduzido porque 25 ações que miravam R$ 117,4 milhões foram extintas sem julgamento de mérito e também porque a Justiça declarou improcedentes definitivamente outras 59, que tratavam da recuperação de R$ 1,89 bilhão. Estão em curso 337 ações que pleiteiam R$ 22,7 bilhões. Sobre essas ações ainda não há decisão judicial. São 211 as ações consideradas procedentes, mas ainda não de forma definitiva, e elas apontam para uma cifra de R$ 8,26 bilhões. Outro R$ 1,1 bilhão envolve 33 ações em execução e 71, julgadas improcedentes não definitivamente.

O relatório foi apresentado na abertura do 1.º Congresso do Patrimônio Público e Social do Ministério Público de São Paulo, evento da Procuradoria Geral de Justiça e da Escola Superior do MP, que reúne promotores e magistrados que se dedicam a combater a corrupção e desvios na administração. "Esses números nos dão um quadro da gravidade da situação que enfrentamos no desempenho de nosso papel constitucional de guardiães da lei e da moralidade pública", declarou o procurador-geral, Fernando Grella Vieira. Para ele, a instituição "tem feito um esforço muito grande no sentido de combater as práticas ilegais e imorais dos agentes públicos, buscando a punição dos responsáveis, na forma da lei, de forma a desestimular a malversação do dinheiro público e inibir futuras posturas de improbidade administrativa e de corrupção".

O dossiê foi preparado pelos promotores Saad Mazloum e Silvio Antonio Marques, secretários executivos da Promotoria do Patrimônio, braço do Ministério Público que investiga improbidade. Mazloum e Marques são especialistas nessa função. Nos últimos dez anos, eles e seus colegas conduziram as principais investigações contra prefeitos, secretários municipais e estaduais, presidentes de autarquias e ex-governadores.

Cadastro: O relatório divulgado por Grella mostra que, em São Paulo, há 510 processos cadastrados vinculados ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). O total de condenações perante a Corte paulista é de 1.048. São resultados das ações propostas pelo Ministério Público Estadual. Ainda de acordo com o dossiê apresentado pelo procurador-geral, o número de processos vinculados ao Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF-3), oriundos de ações ajuizadas pelo Ministério Público Federal em São Paulo e Mato Grosso do Sul, chega a 7. O total de condenações pelo TRF-3 soma nove.

Do total de condenações por ato de improbidade administrativa na esfera estadual, 1.299 tiveram enquadramento no artigo 11 da lei, que trata sobre os atos que atentam contra os princípios da administração pública - honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições. As condenações pelo Artigo 10, dedicado aos atos que causaram prejuízo ao Erário, somam 1.299. Por último, aparecem as 652 condenações pelo Artigo 9 - auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou atividade.

Por: Fausto Macedo, Bruno Tavares

FONTE: O Estado de S.Paulo

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Mudar é possível

Entenda por que o Piauí entrou para a elite do ensino brasileiro
Carga horária elevada, competição entre escolas e desejo de mudar fazem Teresina ter quatro entre os 26 melhores colégios do País


A capital do Piauí, Teresina, está no topo da educação brasileira. Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2009 mostram que quatro escolas da cidade – todas da rede privada – estão entre as 26 melhores do País. Até a semana passada, quando um colégio paulista ganhou na Justiça o direito de revisão de notas, a primeira piauiense aparecia em segundo lugar no ranking. Agora, caiu para a terceira posição. A quarta melhor escola do estado estava em 25º e passou para 26º.
As quatro escolas da capital piauiense mais bem posicionadas no ranking do Enem são, em ordem, Instituto Dom Barreto (3º lugar), Instituto Antoine Lavoisier de Ensino (13º), Educandário Santa Maria Goretti (19º) e Colégio Lerote (26º). Apesar das 23 posições entre eles, apenas 27,54 pontos os separam nas notas dos alunos no Enem 2009.
O feito das escolas de Teresina só foi repetido pela capital paulista e superado pelo município do Rio de Janeiro, que possui oito escolas entre as 25 primeiras. Proporcionalmente, a conquista de Teresina chama mais a atenção. No Rio, 684 colégios públicos e privados oferecem o ensino médio. Em São Paulo, 1.239. Em Teresina, apenas 168.
O Inep só calcula as notas no Enem das escolas em que mais de dez alunos concluintes do 3º ano do ensino médio participam da prova. Do total da capital piauiense, 128 tiveram resultados divulgados. Dos 64 colégios privados do município que oferecem ensino médio, 52 tiveram notas. Os quatro primeiros representam 8% da amostra da rede privada de Teresina.
A diferença é enorme quando comparada ao Rio ou a São Paulo. Na lista dos que ganharam notas no exame, no Rio de Janeiro, aparecem 444 nomes. Entre os melhores da cidade, a maioria é escola privada, mas há uma federal e uma estadual. Os oito melhores do Rio simbolizam 2% do total das escolas particulares com conceito. Em São Paulo, os quatro melhores do Enem (todos privados) representam 1,4% dos 279 colégios dessa rede com nota.
Cidades com o mesmo porte de Teresina – que possui cerca de 802 mil habitantes e 62 mil alunos no ensino médio – não alcançaram nível educacional parecido com o da capital piauiense ainda. Natal, capital com 806 mil habitantes não possui nenhuma escola entre as 100 melhores. São Bernardo do Campo, que possui 810 mil moradores, por exemplo, tampouco. As duas cidades ainda possuem menos estudantes na etapa: 43 mil e 37 mil.

Receitas nada secretas
O segredo das escolas de Teresina para obter tanto destaque é simples. Primeiro, elas investem em uma carga horária de estudos que impressiona. Das quatro escolas com mais destaque no Enem, em três a jornada diária de aulas supera sete horas. Na outra, é de seis horas e meia. A rotina semanal só termina aos sábados, com aulas regulares e simulados. E tanto esforço não se restringe aos alunos do 3º ano: já começam no ensino fundamental.
A metodologia semelhante não é mera coincidência entre as escolas de Teresina. Nem é uma orientação ensinada nas faculdades aos futuros professores da região. A resposta – dada pelos próprios estudantes ao iG, que visitou as quatro escolas na última semana – é a concorrência entre elas. “Há uma competição muito grande entre elas. Uma escola boa vai seguindo a outra”, admite André Acioli Lins, 17 anos, aluno do Educandário Santa Maria Goretti.
Para os alunos, a disputa por melhores notas é saudável. Segundo os estudantes, os colegas de outras escolas serão os concorrentes diretos na busca pelas vagas na universidade. E a disputa, até onde se tem notícia, se restringe ao universo intelectual. Grande parte dos professores dá aulas em mais de uma dessas mesmas escolas, inclusive.
Por fim, o sucesso das escolas de Teresina também pode ser explicado, segundo alunos, professores e diretores, pelo desejo de mudança dos estudantes. Primeiro, vontade de transformar a imagem que o Estado tem no País. “Acho que a gente se esforça também para dar mais visibilidade ao Piauí e mudar a visão que as pessoas têm daqui”, diz Felipe Adriano Bezerra, 17 anos, estudante do Instituto Lavoisier.
A segunda é a mudança física mesmo. Eles buscam as melhores instituições do País. Com a concorrência acirrada, estudam ainda mais. A vontade de sair do Piauí tem explicação. “Queremos buscar a melhor formação para depois podemos voltar e evoluir a condição do Estado”, pondera Marcus Vinícius Gonçalves, 17 anos, aluno do Lavoisier.

Fonte: Portal IG

quinta-feira, 29 de julho de 2010

As exigências de nacionalização de componentes podem atrasar trem bala


A exigência do uso de componentes nacionais no trem de alta velocidade (TAV) foi o tema predominante da sessão desta quinta-feira sobre esclarecimentos para a concessão da linha. Empresas interessadas na operação do trem que ligará Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro fizeram estiveram presentes.

O edital especifica os percentuais de componentes nacionais que devem ser usados na linha férrea, no trem e até em seus centros de operação. A parcela dos componentes que devem ser produzidos no Brasil é chamada de índice de nacionalidade. Ela varia de acordo com o equipamento e também com o tempo da concessão.

Os componentes do trem, por exemplo, devem ser 15% nacionais nos dois primeiros anos da concessão, depois de 25 anos, este percentual aumenta para 60%. Já os trilhos, devem ser 30% nacionais no começo do contrato e no final 90%.

Segundo o superintendente executivo da Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT), Hélio França, as companhias apresentaram questionamentos sobre o assunto pois temem a falta de componentes nacionais para atender as condições do edital.

"Eles (os representantes das empresas) dizem que não há empresas brasileiras para produzir os equipamentos necessários", relatou França, em entrevista concedida após a audiência. "Mas o próprio edital diz que, na hipótese de não haver empresa nacional produzindo o equipamento, não será necessário cumprimento do percentual". Ele acrescenta que o edital e suas condições foram debatidos em audiência pública.

O superintendente da ANTT disse que mais duas sessões de esclarecimento estão programadas até o leilão. No dia 29 de novembro, as empresas interessadas devem apresentar suas propostas técnicas e financeiras para o TAV. No dia 16 de dezembro, as propostas serão abertas e será conhecido o vencedor da concorrência.

A concessionária vencedora será aquela que apresentar a menor tarifa para passageiros. Ela será responsável pela construção do trem e terá direito de explorá-lo por 40 anos.

Não há uma previsão exata de quando o trem entrará em operação. Segundo França, o cronograma estabelecido é de até seis anos para que o trem entre em funcionamento a partir da assinatura do contrato de concessão.

Por isso, diz ele, não há garantia de que o TAV estará pronto para a Copa do Mundo de 2014 nem para a Olimpíada de 2016. "O TAV não faz parte do compromisso formal para a Copa. Se ficar pronto, ótimo".

Segundo fontes bem informadas apesar dessas dificuldades, acreditam que o trecho Rio – São Paulo possa ficar pronto no ano de 2014. Para nós do Vale do Paraíba essa é sem dúvida uma ótima notícia e se espera que as dificuldades sejam superadas, para que essa alegria não seja vivida somente por nossos filhos e netos, mas, por nós também.

Quem viver verá.

Filipe de Sousa

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Um exemplo que deveríamos copiar


Formiguinhas do Vale

Um exemplo que deveríamos copiar.

Um dos grandes problemas enfrentados por empreendedores sociais no Brasil é a falta de voluntários em seus projetos. A falta de incentivo ao voluntariado, a falta de direcionamentos e de programas, levam a essa deficiência.
Um bom exemplo a ser seguido é a iniciativa do primeiro-ministro britânico, David Cameron, lançar nesta em Julho de 200 um projeto nacional de trabalho voluntário para adolescentes.
Dez mil jovens de 16 anos devem participar da iniciativa-piloto, prevista para o próximo verão europeu (inverno de 2011 no Brasil).
No programa, com duração total de oito semanas, os participantes vão passar dez dias longe de casa. O objetivo, segundo Cameron, é ensinar os jovens a ser "socialmente responsáveis" por meio de trabalhos comunitários e ações sociais.
"Será uma espécie de serviço não-militar nacional, que vai unir jovens de diferentes origens sociais de forma nunca ocorrida anteriormente", afirmou Cameron ao anunciar a iniciativa.
"O projeto vai ajudar jovens que sentem estar sem rumo na vida", acrescentou.

''Grande sociedade''

Segundo ele, a iniciativa vai incentivar adolescentes a integrar o que ele chama de "grande sociedade".
A formação da "grande sociedade", anunciada nesta segunda-feira por Cameron, vai, segundo o governo, promover a "redistribuição do poder" no país, com o fortalecimento de ações comunitárias.
O plano se baseia em três pilares: a ação social, com apoio ao voluntarismo e à filantropia; a entrega de mais poder às comunidades locais e a reforma do serviço público.

Aqui, no Brasil, poderíamos, por exemplo, levar este programa para jovens delinqüentes, abrigados, reclusos, assistidos, enfim, a todos aqueles que de certa forma se viram na marginalidade.
O Nordeste do Brasil, por exemplo, seria um bom destino. Acomodados em casas com grandes deficiências de alimentação, saneamento básico, alimentação, etc. talvez aprendessem a dar valor àquilo que relutam em aceitar e também com isso, trazer algum alento aqueles que acham a cidade grande, um grande paraíso.
Este é somente um exemplo, mas, que pelo direcionamento seria, sem dúvida, uma boa experiência de vida.

“Quem sai aos seus nunca degenera...” Ditado antigo que hoje não se pode ver explícito na maioria dos casos de violência familiar, degradação sócio-familiar do menor, no sentido do exemplo. Sendo assim, a sociedade pode e deve interferir na formação do caráter de nossas crianças, jovens e adolescentes e, o “Voluntariado” é sem dúvida a oportunidade de servir, aprender e, trás a oportunidade de se tornar um bom cidadão, responsável e útil á sua comunidade.

Quando você acredita no jovem, o ouve, lhe dá um caminho e o apóia, será muito difícil a esse adolescente ou jovem se desviar do caminho do bem e seu futuro se apresentará, na maioria das vezes, brilhante e sem dúvida as oportunidades aparecerão.

O ser voluntário é um item de peso na avaliação curricular pelas empresas.


Filipe de Sousa

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Olimpíada Nacional de História do Brasil recebe inscrições

Alunos de escolas públicas e privadas de todo o país têm até o dia 06 de agosto para participar da 2ª edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil.

Realizado pelo Museu Exploratório de Ciências (MC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Olimpíada tem como objetivo estudar a história do Brasil por meio de textos, documentos, imagens e mapas, ao longo de questões de múltipla escolha e da realização de tarefas.

Podem participar da olimpíada estudantes regularmente matriculados no 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e demais séries do Ensino Médio, de escolas públicas e privadas de todo o Brasil. Para orientar a equipe, composta por três estudantes, é obrigatória a participação de um professor de história.

Ao todo serão cinco fases online e uma fase final, presencial, que ocorrerá na própria Unicamp. A primeira fase da competição começa em 19 de agosto, Dia Nacional do Historiador e de celebração do centenário de morte do jornalista e historiador Joaquim Nabuco.

O formulário de inscrição e o boleto para pagamento estarão disponíveis no site www.mc.unicamp.br. A taxa de inscrição é de R$ 15,00 para as equipes de escolas públicas e R$ 35,00 para as equipes das escolas particulares. O valor da inscrição é para todos os membros da equipe.

O MC vai custear, com o apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e da empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras, a vinda de uma equipe de cada estado brasileiro para participar da fase presencial. Após a final da Olimpíada, os professores responsáveis por essas equipes permanecerão na Unicamp para realizar capacitação de uma semana.

A ONHB premiará escolas, alunos e professores, com medalhas de ouro, prata e bronze e certificados de participação. A escola vencedora receberá doação de livros para o acervo da biblioteca e a assinatura da Revista de História da Biblioteca Nacional por um ano.

Fonte: Portal Terra

sábado, 26 de junho de 2010

Os riscos do aquecimento global para a saúde pública

Mudanças climáticas provocam surgimento de novas doenças
A degradação do meio ambiente está proporcionando o surgimento de novas enfermidades animais no mundo. Essa foi uma das conclusões tiradas na reunião do Comitê Internacional da OIE- Organização Mundial de Saúde Animal - da qual participou em Paris o paraibano José Saraiva Neves, integrante do Conselho Federal de Medicina Veterinária, além do Presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda e Veterinários do Ministério da Agricultura e de secretarias de alguns estados do Brasil.

A situação zoossanitária no mundo e o controle das zoonoses são motivo de preocupação cada vez mais das autoridades internacionais. As mudanças climáticas, em sua maioria, reflexo da ação devastadora do homem, têm trazido conseqüências para a saúde pública, como o aumento da incidência de doenças como a dengue, raiva, brucelose, malária, tuberculose e as endoparasitores.

No Brasil, explica o Médico Veterinário José Saraiva Neves, se verifica que determinados tipos de agentes transmissores de infecções estão migrando das matas para as cidades. Isso explica o aumento de casos de leishmaniose, doença transmitida ao homem pela picada de um tipo de mosquito, e de enfermidades transmitidas por carrapatos. Zoonoses que até bem pouco tempo não se encontravam em alto grau nas zonas urbanas agora atormentam as autoridades de saúde.

Para estudar o impacto dessas doenças no mundo a OIE criou cinco Comissões Regionais. Uma delas, a das América que engloba América do Sul, América Central, América do Norte e França é presidida por um brasileiro.
Novas doenças infecciosas surgem atualmente a um ritmo sem precedentes, avisou a Organização Mundial de Saúde (OMS), apelando para uma melhor cooperação internacional para fazer face aos riscos sanitários de século XXI.

O documento apresentado em Genebra pela diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) exorta as autoridades de saúde internacionais a apostar na prevenção, monitorização e controlo de doenças que, segundo os especialistas, são fortes candidatas a fazer parte do grupo das epidemias.

Entre as doenças contagiosas que estão no topo das prioridades da OMS encontram-se a cólera, a febre-amarela e a febre hemorrágica.
No entanto, os novos riscos sanitários incluem não só as epidemias mas também doenças de origem alimentar, de acidentes ou de ataques químicos, biológicos ou nucleares, a poluição industrial e as mudanças climáticas "que podem pôr em risco a saúde de milhões de pessoas em vários países".

A OMS introduziu este ano um novo Regulamento Sanitário Internacional, aplicável nos seus 193 Estados Membros, que estipula a maneira como os países devem avaliar e notificar a OMS das urgências de saúde pública de nível internacional.
As mudanças climáticas terão efeitos indiscutíveis na saúde, como o aumento das alergias e doenças transmitidas por mosquitos, e o aumento de problemas intestinais ligados à falta de água.

"Em 2050, um em cada dois verões (hemisfério norte) se assemelhará à onda de calor de 2003", que na França causou a morte de milhares de pessoas, indicou o diretor da Agência Sanitária do Meio Ambiente e do Trabalho (AFSSET), Dominique Gombert.
Segundo ele, já é possível prever que o aumento das temperaturas durante o verão provocará um forte avanço da mortalidade entre as pessoas mais velhas, ou frágeis. Além disso, as ondas de frio serão mais intensas, inclusive mais mortíferas, acrescentou o diretor.

Poluição


Alguns poluentes - como as partículas finas -, também aumentarão, devido ao aquecimento global, acrescentou. "Serão mais precoces e permanecerão por mais tempo", explicou Gombert.
"Esta poluição terá os mesmos efeitos dos picos de poluição atuais, que geram um aumento das doenças respiratórias (bronquite, asma) e problemas cardiovasculares, assim como uma sensibilidade maior às infecções causadas por micróbios", advertiu.
O aquecimento global provocará uma redistribuição da vegetação no território: por exemplo, a oliveira tentará subir para o norte.
Além disso, acrescentou, as árvores com pólen se estenderão, e por isso os períodos com muito pólen vão aumentar, o que provocará mais casos de alergias, indicou.

Câncer

São previstos também outros problemas de saúde, como cânceres de pele, devido à intensificação dos raios solares, e o aumento das doenças como a febre tifóide ou a cólera, porque a água será mais escassa e mais contaminada, alertou.
O especialista ressaltou que, embora as ameaças dos efeitos do aquecimento planeta pareçam claras, as medidas para proteger a saúde das pessoas são menos evidentes.
Para reduzir os fatores de risco, será preciso desenvolver a cultura da "adaptação", mas essa meta se depara com dificuldades, como a falta de interesse dos médicos, afirmou outro especialista.

"O aquecimento global é um tema que interessa aos meios de comunicação, mas menos aos médicos", lamentou William Dab, professor da cátedra de Higiene e Segurança no Conservatório Nacional das Artes de Paris.
Segundo ele, as mudanças climáticas não são "um risco a mais", entre outros, e sim "uma mudança de escala do risco", dada a quantidade de pessoas expostas.
O Observatório Nacional sobre os Efeitos do Aquecimento Global (Onerc) sugere algumas formas de combater esses efeitos das mudanças climáticas na saúde, entre elas umas supervisão maior dos agentes infecciosos e da qualidade da água e do ar.
OMS alerta para aumento do risco de epidemias, doenças infecciosas estão se propagando.

Doenças infecciosas estão se propagando mais depressa do que nunca, de acordo com o relatório anual da Organização Mundial da Saúde (OMS). Com cerca de 2,1 bilhões de pessoas viajando de avião todos os anos, há um grande risco do surgimento de outras grandes epidemias como aids, Sars ou febre de Ebola.

A OMS pede mais esforços para combater surtos de doenças e que sejam compartilhados dados sobre vírus para ajudar a desenvolver vacinas. Em um relatório intitulado Um Futuro Mais Seguro, a entidade diz temer que a falta de ação no combate aos surtos possa ter um impacto devastador sobre a economia global e a segurança internacional.
Segundo a OMS, novas doenças estão surgindo em um ritmo "historicamente sem precedentes" de uma por ano. Desde a década de 70, 39 novas doenças se desenvolveram e, só nos últimos cinco anos, a OMS identificou mais de 1,1 mil epidemias, incluindo cólera, pólio e gripe aviária.

"Seria extremamente ingênuo e complacente pensar que não haverá uma outra doença como a aids, uma outra Ebola e outra Sars, mais cedo ou mais tarde", diz o relatório. Compartilhar dados médicos, habilidades e tecnologia entre nações ricas e pobres é "uma das rotas mais viáveis" para segurança sanitária, afirma.

A OMS está envolvida em uma disputa com a Indonésia em relação a amostras do vírus H5N1, que provoca a gripe aviária. O governo indonésio se recusa a compartilhar suas amostras com a OMS em meio a temores de que empresas farmacêuticas usem esses vírus para fabricar vacinas que sejam caras demais para aquisição pela Indonésia.
O relatório da OMS também pede aos governos que sejam mais transparentes em relação a surtos de doenças, dizendo que quase a metade de todos os alertas que recebe chegam pela imprensa.

Resistência a medicamentos também representa uma ameaça para o controle de doenças, de acordo com a OMS, que culpa o mau uso de antibióticos e tratamento médico ruim pelo problema, destacando o caso da tuberculose.
Na introdução do relatório, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, disse que a cooperação é crucial para combater surtos.

"Dada a vulnerabilidade universal de hoje a estas ameaças, a melhor segurança é a solidariedade global", afirmou Chan. "Segurança internacional de saúde pública é tanto uma aspiração coletiva quanto uma responsabilidade mútua."
Brasil, Argentina, Canadá, México, Peru e Estados Unidos são mencionados como exemplos de países que já criaram Centros de Operação de Emergência que os permitirão concentrar informações sobre epidemias e coordenar uma resposta a uma situação real ou potencial de emergência sanitária.

O Brasil também é mencionado como o primeiro país em desenvolvimento a fornecer terapia antiretroviral para a AIDS através de seu sistema público de saúde.

O Código Florestal, as mudanças climáticas globais e a saúde da população

Nesse momento, em que o País assiste ao embate entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o Ministério do Meio Ambiente, em torno da necessária reforma do Código Florestal, vale a pena esclarecer sobre alguns aspectos sutis desse preceito legal, que colocam em risco outros mecanismos legais de garantia de qualidade de vida para a população.

Especificamente, a questão da manutenção de Reserva Legal e as questões envolvendo mudanças climáticas globais com aumenta da temperatura, e sua conseqüência para o espalhamento de doenças e epidemias.
O objetivo maior dessa estratégia é estabelecer uma convivência harmônica e pacífica entre a natureza e as atividades econômicas, que permitam ao ser humano suprir suas necessidades básicas sem atentar contra a qualidade de vida, fim maior de toda atividade humana.

A população mundial tem crescido, e algo entre 1,5 e 2,5 bilhões de pessoas vive diretamente dentro ou nas redondezas, de imensas áreas "nativas", principalmente nos trópicos. População essa que tem um crescimento de 3,1% anual (ITTO, 2005).
A transformação desses ambientes é resultado das mudanças que ocorrem em toda a sociedade. O avanço tecnológico da melhoria genética de plantas e animais, o sucesso mundial de algumas espécies em decorrência desse fator (soja, milho, algodão, gado etc.), a queima de combustíveis fósseis e os processos industriais ou desenvolvimento urbano são alguns exemplos.

Somente durante a última década, foram reconhecidas numerosas doenças infecciosas novas, emergentes e re-emergentes. As principais causas apontadas para isso são: mudanças nos estilos de vida, cidades muito populosas, modificação no processamento de alimentos e, a mais importante para o Brasil, a chegada de pessoas em partes remotas do globo, como a Floresta Amazônica.

As mudanças globais, não somente as climáticas envolvem processos que ocorrem independentemente, mas estão intimamente interligados. Para o Brasil, o desafio de adaptar-se a modificação das zonas climáticas aumenta, dado o elevado nível de pobreza encontrado no País, que se encontra altamente suscetível ao aumento do alcance e da ocorrência de doenças.

É preciso alavancar as atividades necessárias a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas, permitir o crescimento econômico, gerar interesse na iniciativa privada, propiciar a adaptação das legislações estaduais e municipais e distribuir de forma mais justa os resultados dessas atividades, através de modelos democráticos.

As mudanças climáticas globais, que tem interface com a atividade florestal, aumentam os problemas relacionados a incidência de pragas e doenças, que podem ter benefícios do aumento das temperaturas globais, seja pelo aumento da sua propagação, seja pelo stress resultante no meio.
A reserva legal e a área de preservação permanente são parcelas das propriedades rurais, dedicadas à manutenção da qualidade de vida e equilíbrio ecológico, contribuindo para cumprir as funções sociais destas.

Como conseqüência da implementação desses dois preceitos legais, da reserva legal e área de preservação permanente, dentro da estruturação das propriedades rurais, temos a convivência contínua de dois cenários: de um lado as atividades agropecuárias (e mesmo florestais) e do outro as populações silvestres, de plantas e animais.

Com as mudanças climáticas, altera-se o comportamento de mamíferos, répteis, pássaros e insetos, que emergem mais cedo de seus abrigos, e acabam caindo vítimas de frio ou umidade, prejudicando e matando principalmente os indivíduos mais jovens. Sair dos períodos de recolhimento, ou nascer, mais cedo, é muito perigoso para esses animais A falta de alimentos e de reservas torna a situação ainda mais delicada (KIRBY, 2007).

Existem duas classes de doenças relacionadas com as áreas verdes. De modo geral, o primeiro é a das doenças não-comunicáveis, o segundo das doenças transmissíveis.
A primeira classe está relacionada com a perda de áreas verdes, que leva a uma mudança de hábitos na população. São doenças crônicas e que acometem milhões de pessoas pelo mundo, como, por exemplo, a obesidade.

Planejar melhor as cidades, orientando o seu crescimento para manter áreas destinadas a diminuir o stress da vida moderna, ajuda a conter o avanço destas doenças.

A segunda classe está relacionada com a presença da vida silvestre, que leva a uma mutação nos microorganismos. São doenças contagiosas, que acometem milhões e podem ser facilmente transmitidas por toda a população, como, por exemplo, a gripe aviária.

Essas doenças participam de uma co-evolução com os hospedeiros, defesa. Quando encontram áreas de cultivo, criações domésticas ou populações de humanos, esses microorganismos passam a dispor de uma vasta quantidade de hospedeiros que não participaram dessa co-evolução. As mudanças climáticas poderão aumentar a proporção da exposição mundial a doenças como dengue e malária de 35% a 60% até o ano 2085.
Os insetos provaram ser altamente adaptáveis, com capacidade evolutiva de conviver com uma variedade de mudanças ambientais, incluindo as relativamente recentes mudanças climáticas globais, que estão levando ao aumento de suas populações totais.

Além de adaptar-se ao clima mais quente, os insetos aumentam seu número de descendentes, com graves e amplas implicações para o agronegócio, a saúde pública e mesmo a conservação da natureza (STRICHERZ, 2006), passando a ter a capacidade de eventualmente, virem a alterar ecossistemas inteiros. Com uma população estima de 15 milhões de insetos diferentes no Brasil é evidente o potencial de proliferação de doenças nesse ambiente.

Os mosquitos são especialmente utilizados pelos micróbios, antes do sistema imunológico ter a capacidade de identificá-los e iniciar as suas defesas (DIAMOND, 2005), e são seletivos, atacam determinadas pessoas e as outras utilizam somente como vetores. 70% dos antibióticos utilizados no mundo civilizado são aplicados em animais de criação (gado, porcos, carneiros, cavalos etc), simplesmente para promover crescimento ou prevenir contra infecções.

Dentre os micróbios os com maior potencial para atingir os humanos, estão também os mais abundantes nas "selvas tropicais": as bactérias e os vírus. Uma única bactéria pode gerar 280 bilhões de indivíduos em um único dia (de DUVE, 2005).
A cada uma, de suas milhões de divisões, elas geram "mutantes", que podem tornar-se hábil o suficiente, e para resistir ou "enganar" os antibióticos que a destruiriam, com uma vantagem muito importante: as bactérias dividem informação umas com as outras.

Qualquer bactéria pode "capturar" informação genética de uma outra, o que na prática significa dizer que a nova mutação vai se espalhar tão rápido quanto elas se reproduzem para todo o universo de seres existentes em um determinado local, e elas estão em eventualmente "todos" os lugares.

Novas e ameaçadoras viroses aparecem todo o tempo. Ebola e a febre Marburg, têm tido esse comportamento de surgimento e desaparecimento rápido. Ninguém pode dizer com segurança se elas estão testando novas formas mutantes ou simplesmente esperando pela oportunidade ideal para se espalharem por todo o mundo.

Outras doenças que surgiram ou reapareceram recentemente são: Dengue; Rotavírus; Parvovírus; Cryptosporidium parvum; Legionella pneumophila; Antivírus; Campylobacter sp; Vírus Linfotrópico; Staphylococcus taxin; Escherichia coli; HTLV II; Borrelia burgdorferi; HIV; Heliobacter pylor; HHV-6; Ehrlichia chafeensis; Hepatite C; Guanarito; Vibrio cholerae 0139; Machupo; Junin; Rocio; Rift Valley; Listeria monocytogens; Sabiá; Morbilivírus; Haemophilus influenza. Existem ainda pelo menos outros 200 patógenos descobertos a partir de 1996 de maior ou menor risco para a saúde humana.

Em 1997 o vírus H5N1, que supostamente só atacava pássaros, começou a infectar pessoas, transformando-se no primeiro caso conhecido de seres dessa natureza.
A chamada "Gripe do Frango" causou a morte de diversas pessoas em Hong Kong que contraíram a doença. O que fez soar o alarme sobre a doença, que continua extremamente ativa (OMS, 2005).

A preocupação é que a nova forma de infecção, de um ser humano para outro, possa formar a base de uma nova ameaça global.

Fontes: G1 – Portal Terra – Paraná – online